Relato Giro do Chimarrão 3 – Nuno Lopes

Todos esses caras, mais alguns outros que não estão na foto, saíram um busca de um desafio pessoal: não havia colocação ou algum premio, muito pelo contrario, gastaram para estar ali. E é isso que faz do Audax uma prova muito especial. O desafio, inicialmente, era 1000 km em terras gaúchas.

Mas no decorrer da prova senti que a distância seria o requisito básico. Além disso houve chuva, sol forte, frio e vento…tudo para valorizar a vitória. Foi uma prova dura, onde, em um momento, pensei em desistir.

No entanto, depois de quase perder para a cabeça, voltei mais forte para suportar a prova até o final. Os companheiros que encontrei quando estava mais fraco mentalmente foram fundamentais para eu terminar essa prova -oportunidades., Ronildo Silva, Luiz Chagas e Karim Mella. Essa foi a galera que tinha um ritmo parecido e andou os 400 km finais rumo a Porto Alegre.

Conheci outros ciclistas e em algum momento da prova andei com eles, como Dionatan Korb – mermão, não aguentei seu ritmo, só quando estava plano…rs -, Hamilton Dinarte, galera do Triplo X Bicicletas, só gente boa, paramos no meio do pedal para conseguir água numa casinha no meio do nada, com direito a pão com mel e choque elétrico, coisas que só uma prova do Audax pode proporcionar.

Foi um prazer conhecer todos vocês, espero encontrá-los em outras oportunidades.

Ninki da Sac, parabéns pela prova e obrigado por proporcionar essa experiência que foi a maior e melhor aventura da minha vida, felizmente por intermédio do ciclismo. Importante ressaltar a dedicação de todos que trabalharam na prova, que faziam questão de te receber com sorriso e esbanjarem prestatividade nos PCs.

Um agradecimento ao Thiago Pedaldois Cicloturismo, que mexeu com meu brio na hora certa: quando falei que tinha quebrado e não dava mais pra mim, a primeira coisa que ele falou foi “vc vai desistir?” – isso mexeu muito comigo.

Depois que quando eu pensava que todos depois de mim tinham desistido – tinha certeza que, pelas dificuldades que viriam pela frente, não conseguiria terminar a prova sozinho – ele disse “ainda tem uns 10 atrás de você, inclusive o Frederico Ultra”. Aí que você Fredão, foi importantíssimo, mesmo sem saber, me deu força pra chegar até o PC seguinte.

Pensei nesse amigo que o pedal me deu e sabia que ele estaria sofrendo muito mais que eu e ainda estava na luta. Eu não podia desistir naquele momento. Infelizmente não foi do jeito que desejavamos, mas você tem grande parcela na minha vitória, sempre que você chega eu ganho e sinto que você sente o mesmo.

Mais nosso projeto é grande e ano que vem tem muito mais! Queria fazer um agradecimento especial a Galera da Special Adventure Igor Ramon, Andre Handfas, Josival Play e Nelson Picarella que no dia da viagem, deu um ajustem final e deixou a bike perfeita para ser maltratada por 73 h.

Não posso esquecer do meu amigo, parceiro de pedal, sócio etc, Bruno Freire, que me recolocou nos trilhos do pedal, a quem devo muito pela fase atual de ciclismo que me encontro.

Amigos de longa data e de pouco tempo também foram muito importantes enviando mensagens de encorajamento, até acabar de vez minha bateria, vocês me deram força pra seguir de PC em PC. E claro, muito obrigado minha pretona (minha bike, pra quem não conhece), foi forte até o final!

Fim da temporada Audax 2014, rumo a de 2015 e se tudo der certo, em agosto, Paris me espera!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *